CONHEÇA A TV RAÍZES DA CULTURA

CONHEÇA A TV RAÍZES DA CULTURA
ACOMPANHE NOSSO PROJETO DE COMUNICAÇÃO

quinta-feira, 23 de maio de 2024

Maracatu de Baque Virado é reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial de Floresta/PE


No dia 04 de dezembro de 2023, foi promulgada a Lei Municipal de nº 1088 em Floresta/PE, que Declarou várias manifestações culturais tradicionais como Patrimônio Cultural Imaterial do Município.

Entre as manifestações reconhecidas, figura em destaque o MARACATU DE BAQUE VIRADO, ou MARACATU NAÇÃO.

O Maracatu de Baque Virado

O Maracatu de Baque Virado ou Maracatu Nação é uma expressão cultural do Nordeste do Brasil que tem uma relação cultural com a afrodescendência de seu povo, sendo hoje uma das expressões mais importantes das tradições culturais do Nordeste, principalmente em Pernambuco. Seu mais remoto registro data ainda do século XVII.

Sua origem vem das coroações de Reis do Congo que aconteciam nas igrejas de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, que eram momentos de confraternização e de convivência social, cultural, musical, no dia da eleição da diretoria das irmandades de Nossa Senhora do Rosário. Embasado nas coroações da corte portuguesa, fazia-se um cortejo pelas ruas da cidade, o que originou o reisado que desfila no carnaval.

Os personagens que compõe o cortejo caracterizam-se como corte real, e representam o rei, a rainha, o príncipe, a princesa, as damas de passo ou da boneca (Kalunga), damas do buquê, damas da corte, embaixadores ou porta-estandarte, pajens (que seguram a cauda dos mantos reais), escravos, lanceiros, baianas e os batuqueiros (tocadores de gonguê, tarol, caixa, alfaia, agbê, atabaque e mineiro).

A música vocal denomina-se toadas ou loas, e a sua dança compõe-se de um ritmo lento, com passos curtos e movimentos contorcidos de braços e mãos mais velozes.

O Maracatu de Baque Virado é hoje reconhecido em todo o Brasil e no mundo e, em Floresta encontra sua expressão no trabalho realizado pelo Instituto Cultural Raízes, desde setembro de 2011 e, através do Grupo Afro Cultural Maracatu Afrobatuque, cuja existência já conta onze anos, sendo a expressão de cultura popular e afro-brasileira mais forte de Floresta e da região.

No Brasil, inclusive o Maracatu foi reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial, pelo IPHAN, em 03 de dezembro de 2014.

Certificado do IPHAN reconhecendo o Maracatu
como Patrimônio Cultural do Brasil

Um pouco da história desse reconhecimento

Em 02 de setembro de 2011, o Instituto Cultural Raízes dava início ao Projeto Afrobatuque, que entre outras ações culturais, desenvolvia oficinas percussivas de Maracatu de Baque Virado, com crianças, adolescentes e jovens da Comunidade Quilombola de Floresta.

Essa data então marcaria as primeiras oficinas de Maracatu em Floresta. Já no ano de 2012, essa experiência é ampliada com o Projeto Juventude e Cultura, cujas oficinas de Maracatu se deram na periferia de Floresta e também em comunidades rurais.

Essa experiência então, deu origem ao Ponto de Cultura - Tambores da Resistência e ao Grupo Cultural Maracatu Afrobatuque - Raízes de Luanda.

Projeto de Lei aprovado em 2016

Em 2016, o Instituto Cultural Raízes apresentou à Câmara Municipal de Floresta, o Projeto de Lei, o qual recebeu a numeração de 21/2016, e chegou a ser aprovado pela unanimidade dos Vereadores, em 15/06/2016, sendo que infelizmente não foi promulgado.

Só em 2023 foi possível retomar a discussão e a articulação para sua aprovação.

Vereador Peu Vilarim visita o Instituto Raízes em 05/04/2022

O Projeto vira Lei e torna-se realidade

Desde o dia 18/11/2021, o Instituto Cultural Raízes, buscou retomar o diálogo com a Câmara Municipal, através do Vereador Pedro Gomes Vilarim Júnior (Peu Vilarim), no sentido de poder encaminhar a apresentação dos Projetos de Lei de interesse da entidade e da cultura popular e tradicional de Floresta/PE.

Os entendimentos foram sendo mantidos e em 25/10/2023, o Projeto de Lei é apresentado, sendo aprovado por unanimidade em 08/11/2023 e promulgado como Lei nº 1088, em 04/12/2023.
Lei nº 1088 de 2023


Agradecimentos

O Presidente do Instituto Cultural Raízes, Libânio Francisco, que também é o Fundador e Mestre do Maracatu Afrobatuque - Raízes de Luanda, comentou que "essa é uma conquista de valor incalculável para o Maracatu Afrobatuque em toda sua trajetória. Ser o maior grupo de Cultura Popular de Floresta e região, já nos trás uma grande responsabilidade, más, receber esse reconhecimento como Patrimônio Cultural Imaterial de Floresta, é algo realmente maior. Externamos nossos especiais agradecimentos ao Vereador Peu Vilarim, por ter tido a sensibilidade e o compromisso de retomar o Projeto de Lei e se comprometer com a nossa causa. Agradecemos também a todos os demais Vereadores pela aprovação unânime do Projeto e, também agradecemos à Prefeita Municipal por haver sancionado e promulgado a referida Lei".

quarta-feira, 22 de maio de 2024

Documentário sobre o Maracatu Afrobatuque será lançado em Floresta/PE


No próximo mês de setembro de 2024, será lançado em Floresta/PE, o Curta/Documentário: BATENDO TAMBOR “Resistência AfroIndígena no Sertão de Pernambuco”.

A iniciativa foi selecionada em Edital da Lei Paulo Gustavo em Floresta/PE, com recursos do Governo Federal e, se constitui num grande incentivo ao trabalho desenvolvido pelo Maracatu Afrobatuque em Floresta e região.

Realização:
A realização do Projeto é do Grupo Afro Cultural Maracatu Afrobatuque.

Incentivo Cultural:
O Incentivo Cultural é da Lei Paulo Gustavo em Floresta, com recursos do Governo Federal, através do Ministério da Cultura. 

Sinopse:

Crianças, adolescentes, jovens e adultos de Floresta, de origens afrodescentes/quilombolas e indígenas, constituíram o maior grupo de Cultura Popular da região e ao som dos tambores do Maracatu de Baque Virado movimentam comunidades, constroem uma história única e promovem a resistência afroindígena no sertão de Floresta e região.

Lançamento:
O lançamento presencial do Documentário, ocorrerá em cinco localidades, sendo elas o Ponto de Cultura Tambores da Resistência no bairro Dner, Comunidades Quilombolas da Melancia, Folha Miúda e Bezerra e na Quadra Poliesportiva ou Praça Elias de Flora, no bairro do Vulcão.

Também haverá o lançamento através das redes sociais, canal de vídeos da TV RAÍZES DA CULTURA e do MARACATU AFROBATUQUE no youtube, facebook e instagram, além de blogues da instituição e nas redes sociais em geral.

Conteúdo do Documentário:
O Documentário BATENDO TAMBOR “Resistência AfroIndígena no Sertão de Pernambuco” é um curta metragem, com duração de 15 (quinze) minutos, que tem como proposta principal, contar a história de crianças, adolescentes, jovens e adultos de Floresta, de origens afrodescentes/quilombolas e indígenas que formaram o Maracatu Afrobatuque e o transformaram no maior grupo de cultura popular de Floresta e região, sendo um marco referencial da Cultura Negra e de afirmação etnica no Sertão de Pernambuco.

O Documentário destaca o surgimento do Maracatu em Floresta, no ano de 2011, sua caminhada histórica, os desafios enfrentados, a luta contra o preconceito e o racismo, a afirmação da negritude e da etnia indígena, as principais realizações até os dias de hoje.

Objetivos do Projeto/Documentário

O objetivo Geral do projeto é produzir e publicar (na forma de Documentário) a trajetória histórica do Grupo Afro Cultural Maracatu Afrobatuque. E trás como objetivos Específicos:

– Destacar a origem do Maracatu Afrobatuque como maior grupo de cultura popular e afro-brasileira de Floresta e região, sendo também o primeiro e único grupo de Maracatu de Baque Virado da região;
- Promover a visibilidade, a compreensão e a valorização dessa tradição afro-brasileira (o Maracatu) reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil e também de Floresta/PE;
– Contribuir para a eliminação de preconceitos e/ou racismos quanto à presença e tradições afro-brasileiras, na sociedade local e em geral;
- Constituir um importante material/produto de caráter formativo, identificado com o que preceitua as Leis 10.639 e 11.645, o qual poderá ser utilizado nas salas de aulas públicas e privadas, bem como na formação de professores(as);
- Contribuir para a consolidação do processo de autoafirmação étnica dos povos negros e indígenas de Floresta.

Em 2013, aconteceu a primeira Celebração do Dia da África em Floresta/PE


Em 25 de maio de 2013, aconteceu em Floresta/PE, a primeira Celebração do DIA DA ÁFRICA.

A idéia surgiu numa articulação do Instituto Cultural Raízes com a Fundarpe, por ocasião do Projeto Cultura Livre nas Feiras, coincidindo com o 25 de maio Dia da África.

Nessa oportunidade, ocorreu uma apresentação cultural especial do Grupo Afrobatuque (como era assim denominado à época), que representou também a primeira apresentação do grupo, com cachê.

A apresentação teve início com Maracatu na Feira, realizando um esquenta do batuque.

Em seguida, ocorreu apresentação no palco do centro comercial localizado na feira livre de Floresta/PE. Do repertório executado constou destaque para a abertura com Afoxé e Maculelê e concluindo com o Maracatu de Baque Virado.

Nessa data, o Grupo ficou denominado como GRUPO AFROBATUQUE - BAQUE DE LUANDA.

CONFIRA AS IMAGENS DESSE DIA NOS LINKS A SEGUIR:

VEJA TAMBÉM O VÍDEO DO DIA 25/05/2013

APRESENTAÇÃO CULTURAL



HÁ 11 ANOS SURGIA O MAIOR GRUPO DE CULTURA POPULAR DE FLORESTA E REGIÃO


No dia 17 de maio de 2013, nascia em Floresta/PE, o maior Grupo de Cultura Popular da região do Sertão de Itaparica.

Fruto do trabalho desenvolvido pelo Instituto Cultural Raízes, com o Projeto Afrobatuque, o GRUPO AFROBATUQUE, como assim foi denominado na oportunidade, reuniu crianças, adolescentes e jovens remanescentes de quilombolas e da Comunidade do Vulcão, na periferia de Floresta/PE.

Criado com a idéia de trabalhar vários ritmos afrobrasileiros presentes nos tradicionais batuques, o Grupo tem como ponto mais forte o Maracatu de Baque Virado e, assim ficou identificado, como um Grupo de Maracatu.

Na referida data, realizou Cortejo Cultural pelas ruas centrais da cidade de Floresta, por ocasião da mobilização dos programas sociais, marcando o dia 18 de maio que é o dia de combate a violência sexual contra crianças e adolescentes. A apresentação ocorreu atendendo convite da Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Desenvolvimento Social e do COMDICA - Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente.

O MARACATU AFROBATUQUE, nesses 11 anos de história, consolidou-se como o principal Grupo de Cultura Popular de Floresta e região.

Para conhecer mais sobre o Maracatu Afrobatuque, acesse os links a seguir:

CONFIRA AS IMAGENS DESSE DIA NOS LINKS A SEGUIR:

VEJA TAMBÉM OS VÍDEOS DO DIA 17/05/2013

CORTEJO CULTURAL


APRESENTAÇÃO CULTURAL


terça-feira, 21 de maio de 2024

25 DE MAIO: CELEBRAÇÃO DO DIA DA ÁFRICA EM FLORESTA/PE


No próximo 25 DE MAIO DE 2024, Floresta, no Sertão de Pernambuco, vivenciará um grande evento multicultural. Será a CELEBRAÇÃO DO DIA DA ÁFRICA.

A programação terá início já na parte da tarde às 15:00h, com a realização de Intercâmbio/Oficina de Maracatu (dança e percussão).

À noite, a partir das 19:00h (sete da noite) acontecerá uma série de apresentações culturais: MARACATU, AFOXÉ, COCO E SAMBA DE JUREMA. 

Encerrando à noite ocorrerá o ESPETÁCULO "O BRILHO DA OXUM NO SERTÃO".

Na oportunidade será lançado o Projeto SÁBADO CULTURAL.

VENHA PARTICIPAR !

REALIZAÇÃO:
- Instituto Cultural Raízes
- Ponto de Cultura Tambores da Resistência
- Grupo Afro Cultural Maracatu Afrobatuque
- Associação Quilombola Raízes Negros do Pajeú

PARCERIA:
- Grupo Zumbi de Dança Afro e Percussão de Mirandiba
- Associação Cultural Raízes do Sertão / Arcoverde
- Maracatu Raízes do Sertão / Arcoverde

Os(as) interessados em obter Certificado de participação na Vivência/Oficina de Maracatu, devem se inscrever, AQUI.

domingo, 19 de maio de 2024

3ª Conferência de Cultura de Floresta/PE, aprovou propostas importantes para a cultura local


A 3ª Conferência Municipal de Cultura de Floresta/PE, realizada no dia 30 de outubro de 2023, aprovou ao final dos debates, uma série de propostas de grande importância para o desenvolvimento e institucionalização da cultura local, além de apontar algumas referências no âmbito regional.

Participaram representantes do Poder Público Municipal, e de diversos seguimentos culturais, como: Cultura Popular, Quilombolas, Patrimônio, Artesanato, Música e Fotografia, entre outros. 

Anteriormente, já foram realizadas duas outras Conferências de Cultura no Município, a primeira ocorreu nos dias 29 e 30 de outubro de 2009. Confira AQUI.

Já a segunda Conferência, ocorreu no dia 05 de agosto de 2013. Confira AQUI.

Anildomá Williams, do Ministério da Cultura

3ª Conferência Municipal de Cultura de Floresta/PE, em seu primeiro momento contou com uma palestra proferida por Anildomá Williams, Coordenador do Escritório Estadual de Pernambuco, do Ministério da Cultura, que falou da importância da retomada do Ministério da Cultura, com a eleição do Presidente LULA, da importância dos Pontos de Cultura e da PNAB - Política Nacional Aldir Blanc de Fomento à Cultura e, se dispõs a retornar ao Município para a realização de encontros com as Comunidades Tradicionais e representantes dos Pontos de Cultura na região.

Participantes dos Eixos Temáticos

Em seguida, foram trabalhados os Eixos Temáticos, os quais foram:

- Eixo Temático 1 - Institucionalização, Marcos Legais e Sistema Nacional de Cultura; 
- Eixo Temático 2 - Democratização do acesso à cultura e Participação Social; 
- Eixo Temático 3 - Identidade, Patrimônio e Memória; 
- Eixo Temático 4 - Diversidade Cultural e Transversalidades de Gênero, Raça e Acessibilidade na Política Cultural; 
- Eixo Temático 5 - Economia Criativa, Trabalho, Renda e Sustentabilidade; e 
- Eixo Temático 6 - Direito às Artes e Linguagens Digitais.

Participação do Instituto Cultural Raízes

O Instituto Cultural Raízes, teve participação relevante na Conferência, debatendo e apresentando propostas concretas para a estruturação e institucionalização da Cultura em Floresta/PE.

A seguir, destacamos várias propostas apresentadas pelo Instituto Raízes e, que foram aprovadas na 3ª Conferência Municipal de Cultura, de acordo com os Eixos Temáticos:

- Eixo Temático 1 - Institucionalização, Marcos Legais e Sistema Nacional de Cultura
Propostas: - Implementar o Sistema Municipal de Cultura
                    - Debater a Lei do Sistema Municipal de Cultura amplamente 
                    - Criar a Secretaria Municipal de Cultura

- Eixo Temático 2 - Democratização do acesso à cultura e Participação Social
Propostas: - Criação do Conselho Municipal de Cultura
                    - Construção do Plano Municipal de cultura

- Eixo Temático 3 - Identidade, Patrimônio e Memória
Propostas: - Criação do Calendário Cultural de Floresta
                    - Reconhecimento dos Mestres e Mestras da Cultura Popular
                    - Implementação das Leis Federais 10.639 e 11.645 nas Escolas

- Eixo Temático 4 - Diversidade Cultural e Transversalidades de Gênero, Raça e Acessibilidade na Política Cultural
Propostas: - Apoiar a Celebração da Consciência Negra
                    - Criar o Conselho Municipal de Igualdade Racial

- Eixo Temático 5 - Economia Criativa, Trabalho, Renda e Sustentabilidade
Propostas: - Realizar a Feira de Arte e Cultura, de caráter permanente e itinerante.

Outras propostas foram apresentadas, que devem constar no relatório a ser disponibilizado pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Turismo e Esportes, responsável pela realização da Conferência.

CONFIRA UM TRECHO DA FALA DE LIBÂNIO FRANCISCO, PRESIDENTE DO INSTITUTO CULTURAL RAÍZES, no vídeo a seguir:


Instituto Raízes dialoga com Escola em Floresta/PE, projeto pioneiro em Diversidade Cultural e Igualdade Racial

 


O Instituto Cultural Raízes, está dialogando com a equipe gestora e corpo docente da Escola Municipal Prefeito Francisco Ferraz Novais, em Floresta/PE, a possibilidade de implementação em parceria, do Projeto Diversidade Cultural e Igualdade Racial na Escola.

Trata-se de um projeto inovador e pioneiro, com base nas Leis federais 10.639 e 11.645, que determina o ensino da história e da cultura da África, dos Afrobrasileiros e dos Povos Indígenas.

O objetivo geral do Projeto é levar os alunos a refletirem sobre a diversidade étnico-cultural e racial para compreenderem que cada povo possui sua identidade própria, presente nas crenças, costumes, história e organização social. Perceberem suas contribuições para o desenvolvimento da humanidade, em especial do Brasil. Também levar o aluno a se perceber parte desse povo.

Assim, promover o respeito às diferenças de qualquer gênero para a valorização do ser humano e da identidade cultural de todos os povos, para que dessa forma mudanças significativas na prática social sejam percebidas e seja efetivado o desenvolvimento da consciência cidadã.


Primeiro Diálogo

Um primeiro diálogo ocorreu no dia 27/02/2024, na primeira Formação Pedagógica do ano, promovida pela Escola.

Nesse encontro, Libânio Francisco fez uma exposição sobre os objetivos do Projeto e sua concepção com base nas Leis federais 10.639 e 11.645 e, fez uma breve palestra sobre a história da África e sobre a África que mais nos interessa, que é a região da África Central aonde estão localizados hoje, os países de Angola, Kongo e Moçambique, por ter sido dessa região a vinda da maior parte dos africanos que foram escravizados no Brasil e particularmente em Pernambuco.


Nesse primeiro diálogo, também se destacou a importância de em primeiro lugar se conhecer a história da África e em seguida, mergulhar na história dos afrobrasileiros e dos povos indígenas, até chegar na realidade atual e local com a existência das Comunidades Quilombolas e Indígenas.

O Projeto

A construção do texto base do Projeto, se deu a partir do primeiro diálogo já mencionado e, de um segundo encontro, realizado no dia 13/05/2024, aonde foi possível colher mais alguma impressões que referenciaram a elaboração do Projeto.


No segundo encontro, debateu-se sobre as atividades que podem ser desenvolvidas, dialogando sobre as possibilidades de aplicação do Projeto nas diversas disciplinas, como história, geografia, língua portuguesa, matemática, artes, educação física, ciências e inglês.

A previsão de início do projeto é ainda no mês de junho de 2024, e tem como proposta seguir até novembro de 2025.

O Projeto, foi apresentado às equipes da Escola e está aberto para sugestões e ajustes.

PARA CONHECER O PROJETO, ACESSE AQUI